Comer Normal

23 de novembro de 2017 | Por Simone Gomes
Você já se questionou o que é comer normal? Já parou para pensar que esse normal não se trata de algo fixo com cara de dieta?
Vivemos em uma era de muito extremismo, julgamentos constantes e um sofrimento assustador nos cerca quando precisamos fazer nossas escolhas alimentares, sendo que o esperado seria leveza e tranquilidade nesse momento.
E neste momento, você deve estar se perguntando: onde, como, quando começou a minha dificuldade? Algumas vezes na infância, no momento em que somos apresentados à comida. Muitas vezes não somos estimulados a ter independência nas nossas escolhas alimentares e não somos ensinados a reconhecer e nomear as sensações internas como fome e saciedade.
 
Quando crianças, normalmente nos espelhamos nos nossos cuidadores (pais, avós, babás) e muitas vezes o adulto também não tem uma relação tão leve e flexível com a comida, e isso é de alguma maneira incorporado.
Depois na vida adulta, normalmente passamos por várias dietas, que continuam nos desconectando das necessidades do corpo. Não estamos aqui para apontar culpados e sim para analisar mais criticamente como esse ciclo começa e como podemos pensar de maneira diferente.
Afinal, o que é comer normal? Aqui um trecho da definição da nutricionista americana Ellyn Satter que eu gosto muito:

“Comer normalmente é ser capaz de comer quando você está com fome, e continuar comendo até você ficar satisfeito. É ser capaz de escolher os alimentos que você gosta e comê-los até aproveitá-los suficientemente –e não simplesmente parar porque você acha que deveria.

Comer normalmente é ser capaz de pensar um pouco para selecionar alimentos mais nutritivos, mas sem ser tão preocupado e restritivo a ponto de não comer os alimentos mais prazerosos. Comer normalmente é dar permissão a você mesmo para comer às vezes porque você está feliz, triste ou entediado ou apenas porque é gostoso. 

Comer normalmente é, na maioria das vezes, fazer três, quatro ou cinco refeições por dia, ou deixar a sua fome guiar quantas vezes vai comer ao longo do dia. É, também, deixar de comer um pedaço de bolo porque você pode comer mais amanhã ou então comer mais agora porque ele é maravilhoso enquanto ainda está quentinho. 

Comer normalmente é comer em excesso às vezes e depois se sentir estufado e desconfortável. Também é comer pouco de vez em quando, desejando ter comido mais. Comer normalmente é confiar que seu corpo conseguirá corrigir os pequenos “erros” da sua alimentação. Comer normalmente requer um pouco do seu tempo e atenção, mas também ocupa o lugar de apenas uma área importante, entre tantas, de sua vida.

Resumindo, o “comer normalmente” é flexível. Ele varia em resposta às suas emoções, sua agenda, sua fome e sua proximidade com a comida e seus sentimentos.”

Você percebe que nesta definição existe respeito, autoconhecimento, cuidado, flexibilidade, leveza e amor? Que tal exercitar?

Tente olhar para o alimento com respeito, como fonte de prazer, como elemento indispensável para a nossa sobrevivência, como fonte de energia para desenvolver suas atividades, como a única maneira de continuarmos vivos! Essa é de fato a profundidade e a importância dos alimentos. A sua vida depende disso!

0

Simone Gomes
Nutricionista, especialista em nutrição clínica pelo GANEP e aprimoranda em Transtornos Alimentares pelo IPQ HC FMUSP.