PREGOREXIA: Transtorno Alimentar na Gestação

1 de outubro de 2018 | Por Fernanda Timerman

A gestação é um momento de diversas mudanças para mulher, pois ocorrem alterações físicas, hormonais e emocionais muito grandes. Essas mudanças podem desencadear um transtorno alimentar em mulheres que já tenham essa pré-disposição por não possuírem uma boa relação com sua imagem corporal ou até mesmo um gatilho para outras que já vivenciaram esses  transtornos em outras fases da vida. Inseguranças com relação à mudança do corpo e uma baixa autoestima podem ganhar proporções ainda maiores nesse período. 

Além de a gestação, por si só, ser um período extremamente delicado, fatores sociais e culturais podem ser determinantes para o desenvolvimento de um quadro de neo* transtorno alimentar chamado de PREGOREXIA que caracteriza-se pela preocupação extrema da gestante com o ganho de peso.

É definida como a ocorrência de sintomas e comportamentos característicos dos transtornos alimentares durante a gravidez, como:

  • prática de dietas restritivas;
  • episódios de compulsão alimentar (as vezes justificado pelo “comer por 2”);
  • episódios de purgação, especialmente por vômito (que vai além dos enjoos próprios da gravidez);
  •  e prática excessiva de exercícios físicos (não respeitando os limites e adaptações colocadas pelo médico e educador físico). 

O fato da sociedade impor uma “imagem ideal” para gestante pode fazer com que muitas mulheres fiquem culpadas por não se sentirem bonitas nessa fase, neguem possíveis limitações e busquem ter um ideal de corpo que na grande maioria das vezes é inatingível, sendo mais uma questão que a mulher se vê obrigada a lidar em meio a tantas mudanças. 

Os comentários de pessoas que cercam a gestante sobre seu corpo ou seu ganho de peso também podem influenciar negativamente a forma como ela se enxerga e seus hábitos alimentares, bem como a cobrança pela volta instantânea ao peso de antes da gravidez, reforçado por celebridades, modelos e webinfluencers em redes sociais.  

Os comportamentos e sintomas característicos da PREGOREXIA podem gerar prejuízos físicos e emocionais não só para a própria gestante como também para o bebê, que pode apresentar:

  • maior chance de cesárea e complicações no parto;
  • prematuridade;
  • baixo peso ao nascer;
  • déficit de crescimento e
  • desenvolvimento cognitivo prejudicado no futuro. 

A identificação de um quadro de PREGOREXIA pode ser dificultado por comportamentos normais durante a gravidez. Um estudo bem recente (Bannatyne et al., 2018) teve como objetivo estabelecer um consenso sobre sinais e sintomas do comer transtornado** na gravidez para melhorar a conscientização de profissionais da saúde.

Os pontos de atenção estabelecidos nesse consenso são:

  • comportamentos de dieta;
  • inflexibilidade e rigidez com a dieta;
  • jejum ou pular refeições;
  • pesagem excessiva a fim de monitorar constantemente o ganho de peso;
  • comer em segredo;
  • vômito auto induzido;
  • exercício físico contra recomendações médicas;
  • usar a gravidez como razão “válida” para evitar alimentos temidos;
  • perda de peso durante a gravidez;
  • fixação com a perda de peso no pós-parto;
  • frequência e intensidade dos sintomas;
  • diferenças entre o relato da mulher e exames ou observações médicas ou quanto ao relato do parceiro e da família, entre outros. 

Por todos esses complicadores e consequências que os transtornos alimentares ou comer transtornado podem gerar para a mãe e o bebê durante uma gravidez, é muito importante que haja mais discussão e conhecimento desse assunto entre as gestantes e também entre os profissionais da saúde. Dessa forma, pode-se pensar em um acompanhamento e amparo interdisciplinar do ginecolostista/obstetra trabalhando em conjunto com nutricionistas, psicólogos e psiquiatras que saibam reconhecer e tratar melhor esse quadro. 

Notas: 

*neo transtornos alimentares são novos quadros que têm sido sugeridos na literatura, embora não sejam ainda reconhecidos oficialmente e, portanto, ainda não estejam com critérios definidos e nos manuais diagnósticos. Para ver outros neo transtornos alimentares: http://www.genta.com.br/page-373 

** Definiçao de comer transtornado: http://www.euvejo.vc/comer-transtornado/ 

Referências: 

Mathieu J. What is pregorexia? J Am Diet Assoc. 2009;109(6):976-9. 

Dunker KLL, Alvarenga MS, Alves VPO. Transtornos alimentares e gestação – uma revisão. J Bras de Psiq. 2009; 58(1): 60-8. 

Bannatyne AJ, Hughes R, Stapleton P, Watt B, MacKenzie-Shalders K. Signs and symptoms of disordered eating in pregnancy: a Delphi consensus study.?BMC Pregnancy and Childbirth. 2018;18:262. 

0

Fernanda Timerman
Nutricionista, Mestre em saúde pública. Faz parte da coordenação do GENTA, Grupo Esp. em Nutrição e Transtornos alimentares e da Nutrição Comportamental.