Foco, força e fé… Será?

10 de junho de 2018 | Por Ana Carolina Costa

“De você depende a ação; de você não dependem os frutos da ação”. Essa é uma frase do Bhagavad Gita – obra importante do Hinduísmo – que tive o prazer de ouvir esse final de semana no curso de formação de instrutores de meditação da Associação Palas AthenaEssa frase me tocou e fez todo sentido para mim, que trabalho com transtornos alimentares e obesidade. 

Pois eis a verdade que entendi ao longo desses anos de prática: perder peso não depende somente de nós. 

Não pare de ler esse texto ainda! Vou tentar ser mais clara. 

Nossas ações dependem essencialmente de nós, como a frase do início diz. Podemos por meio de esforço, planejamento, atenção, autoconhecimento e gentileza conosco, mudar nossos comportamentos e adotar novos hábitos: dormir mais/melhor, comer mais vegetais e frutas, beber mais água, ter uma rotina mais fisicamente ativa, preferir alimentos integrais, cuidar da nossa saúde mental e social… Todos estes comportamentos estão associados a processos de emagrecimento.

Mas, aí é que está o “pulo do gato”: mesmo que cada um de nós acabe se engajando em todas estas ações, não se pode garantir que todos – ou mesmo alguns de nós! – vamos perder peso, ou perder da mesma forma.

Essa é uma das razões pelas quais, inclusive, o novo Código de Ética do Nutricionista (2018) proíbe fotos de “antes e depois” nas redes sociais, pois tratamentos e estratégias nutricionais podem não apresentar o mesmo resultado para todos e as imagens podem oferecer risco à saúde por trazer expectativas irreais aos pacientes.  

Trocando em miúdos: você dormir mais/melhor, comer mais vegetais e frutas, beber mais água, ter uma rotina mais fisicamente ativa, preferir alimentos integrais, cuidar da saúde mental e social… E ainda assim não sofrer nenhuma mudança corporal no âmbito estético! 

Já são inúmeros os dados científicos que comprovam que a regulação do nosso peso e composição corporais sofrem influência de diversos fatores, alguns destes fora do nosso controle ou acesso. Sabe-se por exemplo que as espécies de bactérias que compõem nossa microbiota intestinal podem mediar nosso ganho ou perda de peso, por meio da absorção distinta de nutrientes e produção de substâncias anti-inflamatórias. Até mesmo poluentes do ar e resíduos de agrotóxicos nos alimentos são capazes de influenciar o armazenamento e a metabolização de gordura em nossas células! 

Não estou querendo dizer que devemos então “desistir” de nossos corpos. Pelo contrário: o convite é respeitarmos cada vez mais essa fantástica morada do nosso ser para que possamos então cuidar dela da melhor maneira possível. Mas sempre focando naquilo que é acessível a nós, ou seja, os comportamentos. Os resultados – quaisquer que sejam eles – virão, a seu tempo.  

Como diz a oração da serenidade: que possamos ter coragem para mudar aquilo que podemos mudar, serenidade para aceitar as coisas que não podemos, e sabedoria para distinguir umas das outras.  

0

Ana Carolina Costa
Nutricionista, atua na equipe de Nutrição do AMBULIM, é membro do The Center For Mindful Eating e autora do Blog ocorpoemeu.com