Carta ao meu corpo

3 de novembro de 2017
Recebi este email de uma moça que tem bulimia e está em tratamento.
Em um exercício na terapia ela escreveu duas cartas. Uma carta é ela falando com o próprio corpo. A outra carta é a  resposta do corpo. Eu fiquei tão emocionada que decidi, com a autorização dela, compartilhar com vocês.

Carta 1 – De Ana para seu Corpo.

Por que você não me deixa só um pouquinho em paz? Eu acordo e todo santo dia penso: de novo você aqui?! Quando eu respiro, parece que te sinto cada vez maior. Quando tomo banho é uma tortura te sentir, você poderia sumir às vezes. 
 
Desculpa, mas eu preciso ser sincera: EU TENHO NOJO de você, odeio o que você me faz passar. Odeio me boicotar do mundo, muitas vezes para ninguém te ver, para ninguém ver o quanto você cresceu nesses últimos tempos. Por SUA CULPA perdi festas, perdi viagens, perdi até o grande amor da minha vida porque ele não merecia ter uma aberração ao lado.
 
Mas, apesar de tudo isso, eu não desisto. Se estou aqui te escrevendo essa carta é  porque no fundo acredito que nosso relacionamento tem salvação. Até estou começando a ceder um pouco, tentando cuidar mais de você, mesmo com tanto nojo. Vamos fazer um trato? Para de crescer que eu continuo tentando aceitar como você é.
Ass. Ana. 

 Carta 2 – Resposta do corpo para Ana.

Ana, eu não quero te fazer mal. Se eu cresci um pouco foi para te manter de pé. Lembra quando você não comia nada? Eu quase sumi! Chorei muito por causa disso. Você descontou em mim toda sua raiva, todo o seu nojo, mas eu te entendi. 
 
Eu quero que você coma sem culpa. Quero que me mostre mais, me leve para passear. Nós poderíamos nos divertir tanto se você não tivesse tanta vergonha do meu tamanho.
 
Sobre o trato, eu não prometo não. Não prometo que vou parar de crescer, ou que vou diminuir. Mas prometo te dar saúde para você fazer o que quiser. E, fazendo o que quiser, quem sabe será feliz? Sendo feliz vai me olhar com outros olhos, vai perceber que eu sou o menos responsável e importante nessa tal busca pela felicidade.
Apesar de tanta raiva, de tanto nojo que você sente, estou ORGULHOSO de você. Sei que está muitas vezes no seu limite, mas ainda insiste em nossa relação. Vamos conseguir, juntos!
Ass. Seu corpo. 

0